sexta-feira, 27 de maio de 2016

Top 10 de amigos que fizeram longas metragens parte II. A Missão



Muitas pessoas devem estar me perguntando: Mas Rodrigo Gallo e eu? Pois é meus caros. Resolvi fazer uma nova lista atendendo a pedidos de amigos que fizeram longa metragem. Vem a nova lista top 10. 

1. Hissa de Urkiola. Hans Staden

A atriz e diretora do Francofolia fez uma participação do longa estrelado por Fabio Evelin. Nele conta a história de um alemão que é prisioneiro de uma tribo indígena. Condenado, os índios pretendem come-lo. 

2. Guil Silveira. O Homem do Ano

Meu querido amigo Guil Silveira fez uma participação neste filme que conta a história de um homem que se torna o Homem do Ano. Seu feito é matar pessoas!

3. Letícia Novaes. Riscado

Este filme que lançou ao estrelado a atriz Karine Telles, conta a história de uma jovem atriz que luta para ter o papel principal. Letícia faz uma Carmem Miranda neste filme.

4. Caio Junqueira. Tropa de Elite

Caio é um dos protagonistas desse filme de ação. O Objetivo maior da Tropa de Elite é prender um homem muito perigoso, chefe do tráfico de drogas. 

5. Ana Felipe. Cidade de Deus. 

Na Cidade de Deus, se correr o bicho pega e se ficar o bicho come. Esta é uma frase que é símbolo deste longa que conta a história da favela Cidade de Deus. Ana Felipe faz o papel de uma das jornalistas. 

6. Cristiane Machado. Velório em Família.

Bem, sou suspeito para falar. Já que fiz uma participação nesse filme. Foi meu primeiro Longa. Mas Cristiane foi a protagonista desse longa metragem dirigido por Rosario Boyer e Edgar Romano onde o patriarca da família morre. 



7. Letícia Lima. Bem Casados.

Protagonizado por Camila Morgado e Armando Borges, o filme conta as aventuras e desventuras de um fotógrafo de casamento que conhece uma mulher muito louca. Letícia faz uma participação neste filme. 

8. Gregório Duvivier. Chico Xavier.

Todos sabem que Gregório faz todo mundo morrer de rir com o Porta dos Fundos. Porém ele fez este longa inspirado na vida do médium mais famoso do Brasil. Ele faz o papel de um Oftalmologista. 

9. Bruce Gomlevsky. Deus é Brasileiro

Um divertido filme brasileiro on the road, onde vemos Bruce como um santo que não acredita em deus e o próprio vai aparecer na frente dele. No papel de Deus esta Antônio Fagundes. 

Bruce GomlevskyBruce é a minha figurinha carimbada. Ele participou de dois filmes nesta lista. Chico Xavier e Deus é Brasileiro.

10. Silvio Matos. Getúlio.

Tony Ramos faz o papel principal. Nesse filme, se conta a história do Presidente que se suicidou no Palácio do Catete. Não posso esquecer de meu querido amigo e ator veterano Silvio Matos. ele merece estar neste top 10. Sucesso. no youtube como o aposentado ranziza com o vlog do Fernando. 

ATÉ A PRÓXIMA CAMARADAS!


quarta-feira, 25 de maio de 2016

Novo Ministro da Cultura




Atendendo a inúmeros pedidos, o Presidente em Exercício Michel Temer não acabou com o Ministério da Cultura. Marcelo Calero assumiu a pasta que iria ser extinta. Calero não é de nenhum partido político.  Ele é servidor público de carreira onde em 2007, passou no concurso público para a carreira diplomática. Trabalhou no Departamento de Energia no Itamarathy e na Embaixada do Brasil no México. Em 2013, foi cedido para a prefeitura do Rio, para atuar na assessoria internacional., quando comandou as comemorações dos 450 anos do Rio de Janeiro. 



Em 2015, assumiu a Secretaria municipal de Cultura do Rio. Entre os feitos de suas gestão são apontados a reabertura do teatro Serrador e da democratização de projetos para fora dos limites da zona rica da cidade. Uma das ultimas realizações de Calero foi a criação do Passaporte Cultural Rio, passe para acesso gratuito ou com desconto a peças, exposições e shows durante os períodos olímpicos e paraolímpicos. 

Fonte: O GLOBO.





" O Partido da Cultura é a Cultura, não qualquer outro."

Ministro da Cultura Marcelo Calero.

Nota do Blogueiro: 

É isso que esperamos. O Ministério da Cultura não é brinquedo. Muitas pessoas têm emprego diretamente e indiretamente graças a cultura. Somos o país mais performático no mundo. Basta olhar as várias manifestações culturais: dança, teatro de rua, musica, performance e artes plásticas. Além de saúde e educação, o governo deve investir também em cultura.



terça-feira, 24 de maio de 2016

Entrevista com a atriz e o diretor da peça a Prostituta Respeitosa

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Domando a Megera



O CAFÉ PEQUENO É NOSSO! AHA! UHU!

O Grupo Nós do Morro apresenta no Teatro Café Pequeno DOMANDO A MEGERA. Peça Inspirada a Megera Domada de William Shakespeare. 

O Grupo já apresentou peças desse autor inglês. Portanto, o grupo já esta afiado quando se trata de Shakespeare.

O que me surpreendeu na peça é que não houve um Petrucchio e uma Catarina e sim dois Petrucchios Duas Catarinas além é claro de duas Biancas. Enquanto tinha dois casais fazendo o texto, tinha dos palhaços fazendo a mesma cena só que sem falas. Isso devo dizer uma coisa: foi sensacional. Uma tacada de mestre do Nós do Morro.

A peça esta em cartaz no Teatro Café Pequeno. Quartas, Quintas, Sextas, Sábados e Domingos. Sempre às 20 horas.

Vai até o dia 29 de maio.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Clube do Networking


Hoje visitei o Clube do Networking localizado no Centro da Cidade. Um clube bastante interessante onde troquei informações bem como dei informações. Uma espécie é dando que se recebe. 

Neste clube, cada participante faz um encontro que dura 3 semanas. Cada um desses encontros é uma vez na semana. O horário varia.

Muitos empresários e trabalhadores usam o networking para obter contatos importantes para a carreira profissional. 

Sem dúvida, uma visita maravilhosa. Recebi dicas maravilhosas que eu nunca esquecerei. 

Se você quer conhecer este clube, o link esta aqui em baixo.



quarta-feira, 18 de maio de 2016

Teatro Duse em Livro

























DIEGO MOLINA LANÇA LIVRO NO RIO DE JANEIRO.

Ontem à noite, na Livraria da Travessa em Botafogo, aconteceu o lançamento do livro do dramaturgo Diego Molina. Nosso herói conta históriado primeiro Teatro Laboratório do Brasil.


 SOBRE O LIVRO por Rita Leal.


Funarte lança livro Teatro Duse: o primeiro teatro-laboratório do Brasil
Obra de Diego Molina mergulha no legado de Paschoal Carlos Magno, um dos maiores animadores culturais do país no século XX

Um palco pequeno, plateia de 100 lugares, sem bilheteria: um teatro em Santa Teresa, bairro boêmio carioca. Assim era, nos anos 1950, o Teatro Duse, o primeiro teatro-laboratório do Brasil, fruto da ousadia do escritor, diplomata, crítico, diretor, animador cultural e, acima de tudo, incentivador das artes e da cultura Paschoal Carlos Magno (1906-1980).

Entre atuar, dirigir e lecionar, Diego Molina cursou mestrado na UniRio e mergulhou no legado de Paschoal Carlos Magno: um acervo inédito com mais de 25 mil documentos. Foram anos de trabalho – entre pesquisa, entrevistas, redação e revisão. O livro é resultado de uma dissertação de mestrado defendida no Centro de Letras e Artes da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (CLA - Unirio) em agosto de 2009, sob a orientação da Professora Dra. Tania Brandão. Anos depois da conclusão da obra, para a sua publicação, o autor fez algumas pequenas modificações no texto – sobretudo atualizando as informações da pesquisa e tirando um pouco do academicismo do texto, para permitir uma leitura mais leve e prazerosa.

A obra parte do acervo pessoal de Paschoal Carlos Magno (Centro de documentação da Funarte), com foco principal no Teatro Duse, criado pelo fundador para ser um espaço de atuação e experimentação teatral – com destaque para a sua Escola de Arte Dramática. Diego Molina analisou também os espetáculos que compunham o Festival do Autor Novo e o diálogo sobre a questão da dramaturgia nacional da década de 1950. O livro é fruto da admiração do autor por Magno: “Ele não é muito conhecido hoje em dia. Morreu em 1980 e, de 1930 até sua morte, foi um dos principais nomes da cultura brasileira”.

O autor entrevistou personalidades ligadas às artes cênicas, caso da saudosa crítica teatral Bárbara Heliodora, e talentos revelados no Teatro Duse, como os atores Othon Bastos, Agildo Ribeiro e Maria Pompeu. Aliás, foram muitos artistas que surgiram ou passaram pelo Teatro Duse, a exemplo dos autores Antonio Callado, Rachel de Queiroz, Hermilo Borba Filho, Francisco Pereira da Silva e Aldo Cavet – que participaram do Festival do Autor – e dos atores Glauce Rocha, Tereza Raquel, Sebastião Vasconcelos, Consuelo Leandro e Joel Barcelos.

Construído na própria residência de Paschoal, o Teatro Duse foi batizado com esse nome em homenagem à reconhecida atriz italiana Eleonora Duse, admirada pelo agitador cultural. O autor de teatro e roteirista Bosco Brasil, que assina o prefácio do livro, explica a relação de Magno com a atriz: “Ouso chamar a própria Eleonora Duse em meu auxílio. Seu nome e de Paschoal Carlos Magno estarão inquebrantavelmente ligados para sempre em nossas mentes”. O dramaturgo lembra que os dois nunca se conheceram e que Paschoal nem sequer viu a artista no palco. Mas explica que a veneração do incitador das artes pela atriz era fervorosa e herdada pelo pai dele, um sensível italiano.

QUEM ESTEVE NA NOITE DE AUTÓGRAFOS:

Na noite estiveram presentes a dramaturga Luciana Malta além do ator consagrado Othon Bastos. Othon ficou emocionado ao ver fotos antigas de sua atuação no teatro Duse. Pude ver uma belíssima foto em que ele esta treinando ao lado de Ruy Guerra.










terça-feira, 17 de maio de 2016

A Assassina

ESQUEÇA POR UM INSTANTE NIKITA.

Veja o filme A Assassina de Hou Hsiao-Hesien
Uma assassina profissional se apaixona pelo seu alvo de uma sua missão. O período é a China Imperial justamente na Dinastia Tang. (618-907 A.C.)

Um filme que prende você do começo ao fim. Você não sabe o que irá acontecer. O filme tem uma belíssima fotografia. Imagens que vão fazer você viajar no tempo.